CUT-BA e centrais sindicais realizam ato de protesto na porta da casa de Arthur Maia

Manifestação deu início a maratona de ações para interromper Reforma da Previdência.

Escrito por: Jelber Cedraz / CUT-BA

CUT-BA

A Central Única dos Trabalhadores da Bahia (CUT-BA) e outras centrais sindicais realizaram na manhã desta sexta-feira (24/03), um ato contra a terceirização, aprovada pelos deputados na última quarta-feira (22) e fortaleceram a luta para interromper a tramitação da Reforma da Previdência Social. A concentração iniciou pela manhã, em frente ao Hiper Bom Preço, na Avenida ACM, onde cerca de 3 mil militantes defensores dos direitos dos trabalhadores, muitos professores e servidores públicos gritavam #ForaTemer.  O objetivo é alertar a população das arbitrariedades cometidas pelo governo golpista Michel Temer, a fim de acabar com a CLT e tirar a aposentadoria dos brasileiros.

“Essa lei da terceirização é absurda. É voltar ao tempo da escravidão, pois significa rasgar a CLT e os direitos assegurados em convenções e acordos coletivos”, desabafa o presidente da CUT-BA, Cedro Silva. Diversos atos não param de acontecer pela Bahia, em protestos contra a Reforma da Previdência e agora eles ganham mais fôlego, com a terceirização.

“Quanto vale o seu trabalho? – é a pergunta que ronda as redes sociais. De acordo com Cedro Silva, o Brasil não é um país sem organização, “Temos que recolocar o país para crescer, alguém já parou para perceber que nenhuma grande empresa vem para o Brasil, a não ser comprar as nossas empresas, justamente porque estão privatizando e não ampliando os concursos públicos e vagas de trabalho”, desabafa Cedro.

Em caminhada até a porta do edifício Vivenda do Recanto, onde fica o apartamento residencial de Arthur Maia, relator da Reforma da Previdência. No bairro Itaigara, tudo é muito diferente dos bairros de classe média e periferias de Salvador: ruas limpas e arvores bem cortadas, segurança privativa, carros da PM em ronda, muros altos, câmeras por todos os lados, calçamento organizado, lixeiras por todo os cantos e asfalto recentemente aplicado.

Para o Secretário de Finanças da CUT-BA Alfredo Jr., o lucro é o foco: “querem é lucro apenas, teremos um aumento excessivo de jornada e redução das condições de trabalho e salário. Por isso, chamamos de reforma criminosa e vergonhosa”, explica Alfredo.

O ato desta sexta-feira, 24 de março, já serviu de preparação para os próximos: no dia 30 de março, concentração, às 9 horas, no Hiper Bom Preço; e no dia 31 de março, concentração às 7 horas, no Iguatemi e à tarde, a Caminhada para Relembrar o Golpe.

Fonte: CUT-BA